Não poderia deixar de comentar as atuais apostas da Apple. O Ipad, a chegada do novo smartphone da Apple, o Iphone 4G e o novo sistema operacional, que mudou de nome e agora se chama iOS 4.0. É impressionante o sucesso da pré-venda do Iphone 4G que iniciou-se essa semana.

Começando pelo iPad, que para mim, é o dividir de águas de um mercado que ainda vai dar muito o que falar, o mercado de tablets. Muito se falou, muitos fabricantes de computadores e notebooks anunciaram investimentos na área, mas foi a Apple, com a tecnologia de touch que já utilizava nos Iphones, foi a primeira a dar início no mercado de um equipamento, que no futuro, amadurecido, tende a cair mais ainda no gosto do varejo, como alias já está sendo.

Não é mais peça de feira de tecnologia, é realidade. Eu mesmo já me rendi a ele. Utilizo diariamente para ler dois jornais nacionais e dois internacionais e vejo a cada dia a chegada de aplicativos específicos para ele.
Sem falar na bateria, são intermináveis nove horas. É excelente.

Os aplicativos desenvolvidos especificamente para o Ipad, em sua maioria absoluta, estrangeira, mostra que o equipamento pode ser muito aproveitado e os não há limites. O Financial Times, por exemplo, dá um show no quesito facilidade de navegação e leitura. Para ler livros, também me pareceu bem interessante, não sei depois de muitas horas de leitura não se torna cansativo. A conferir.

Nesse momento vale ressaltar a minha total desilusão com o Kindle. Não consigo conceber um gadget com imagem preto e branco. A Amazon tem que se mexer e lançar a versão colorida. Será que vai conseguir competir em preço e paixão que a Apple desperta ? Eu tenho minhas dúvidas.

Com relação ao Iphone 4G, a minha expectativa aumenta da mesma forma que aumenta com a chegada do iOS4. É fato que é o primeiro OS para esses brinquedinhos que se comporta como gente grande. É multi-tarefa, estável, tem consumo inteligente de bateria, unificação de várias contas de e-mail. Eu mesmo já estou testando a versão beta final e realmente chamou a atenção como estamos falando de um sistema muito bom.

Com relação ao novo Iphone, não tenho dúvidas, será um sucesso, não só pelo aparelho, mas pelo processador, o mesmo do Ipad, maior bateria e a câmera frontal e traseira que possibilitará a gravação de vídeos em HD. Não tem como não ser um sucesso. E também vai inaugurar um novo formato de comunicação, agora com a possibilidade de fazer vídeo chamadas.

O único pesar é a demora que esses brinquedinhos tem para chegar ao Brasil. É lamentável. Porque não podemos ter uma loja da Apple como nos EUA, como no museu do Louvre em Paris (sim, eu estive lá e saí encantado). Isso atrapalha o desenvolvimento do país. É uma reserva de mercado forçada (graças aos impostos abusivos e governantes sem visão) que atrasa a entrada do Brasil nesse contexto de mercado de tecnologia, muito rentável, que poderia gerar muitos empregos sem contar o mercado de desenvolvimento de aplicativos para esses equipamentos.

A demanda é enorme, não há profissionais no mercado brasileiro. Muito culpa disso é o preço dos equipamentos (que chegam valendo cinco ou mais vezes do preço original). E a falta de cursos para criar uma geração de desenvolvedores para esses equipamentos.

Agora, é esperar (ou trazer) esses equipamentos e entrar de vez nesse mundo de gadgets de alto nível.
Brasil, saia da inércia !

Durante muito tempo, a maior fonte de informação e notícia atualizada vinham do rádio, das tv e dos jornais. Principalmente aprofundando o assunto ou gerando um destaque de capa, no dia seguinte. A ordem da publicação da informação seguia essa rotina.
As revistas semanais faziam um resumo da semana com reportagens mais específicas e alguma vezes com reportagens contendo denúncias.

Sempre foi assim. Ocorre que, desde a semana passada, na divulgação da morte do Michael Jackson, houve um fato novo, inédito. Nunca antes na Internet houvera uma notícia que corresse o mundo tão rápida, tão instantânea, com a velocidade da Internet, com a velocidade da luz. Os canais foram diversos, sites de fofocas, blogs, e principalmente pelo Twitter, atual febre na Internet, que cujo modelo permite divulgar informação no segundo seguido que ela acontece, para todos os “seguidores” e “seguidos”, gerando um efeito dominó, multiplicador impressionante.

Tão impressionante que tais ferramentas tiveram um acesso absurdo, jamais visto. Inclusive o Google com sua ferramenta mais conhecida, que é busca. Houve um colapso. Chegamos ao limite. Ambas as ferramentas, o Google e o Twitter, sairam do ar. Ficaram instáveis e lentas durante horas. Durante a falta de informação ou ainda, a busca desesperada por saber que, o rei do pop havia morrido.

Portanto, para mim, a divulgação da morto do astro, foi o divisor de águas no mundo da informação. Quem ainda não acredita que a mídia Internet é sim, a principal ferramenta de mídia, de comunicação, do ineditismo da informação, está com os dias contados. Os jornais, as revistas, os canais de televisão, de rádio terão que se reinventar. Terão que buscar a Internet como canal principal. É esse o caminho. Não tem mais volta. O jornal vai acabar, o papel deixará de ser usado. É questão de tempo. Para mim, 10 anos mais.

No mais, lamentei muito a morte do Michael Jackson, também gostava muito das músicas dele. Da vida pessoal, não me interessa. Há também outro ponto de vista, para muita gente e pra mim também, ele agora pode descansar em paz. Apesar de muita gente não achar, ele sofreu muito na vida. É só olhar a história dele de como era tratado desde criança.

Como todos sabem, o Windows 7 RC, release candidate, foi liberado ontem para os desenvolvedores. Já instalei e pude perceber que o sistema está muito estável, além de uma série de novas ferramentas que foram introduzidas. O sistema deverá estar disponível para aquisição em janeiro de 2010. Eu acho que vêm antes.

Remote Media Streaming
De olho nos usuários móveis, o RC do Windows 7 inclui uma função capaz de acessar remotamente e reproduzir via internet arquivos de mídia compatíveis com o Windows Media Player que estão no desktop do usuário – desde que a máquina esteja ligada.

Windows XP mode
Conforme noticiado anteriormente, o RC do Windows 7 contará com uma máquina virtual que emula o Windows XP para garantir o acesso a aplicações nativas no sistema operacional antigo. Com a máquina virtual, a Microsoft quer incentivar a migração de pequenas empresas, cuja base está vinculada ao Windows XP, para o novo sistema operacional.

Windows 7 Upgrade Advisor e requisitos mínimos
Assim como no Windows Vista, o usuário interessado em migrar para o Windows 7 pode baixar uma aplicação online que verifica se a configuração de sua máquina é compatível com o Windows 7.

Para rodar o RC do sistema, a versão de 32 bits requer uma configuração mínima de 16 Gibabytes de espaço em disco, 1 GB de memória RAM, processador de 1GHz e Direct Access 9 instalado. Já a versão de 64 bits requer mais espaço em HD (20GB) e o dobro de memória RAM.

Bit Locker “To Go”
Perdeu o pen drive com informações confidenciais? O Windows 7 promete que os dados sejam acessados somente com sua senha. Na versão RC, o recurso de criptografia de dados do Windows Vista Ultimate vai além do desktop ou do notebook e pode ser aplicado a dispositivos externos como pen drives e HDs. Basta configurar o dispositivo com o Bit Locker “To Go”.

Upgrade e Downgrade
A Microsoft ainda não revelou a política de upgrade para o Windows 7, mas o downgrade do novo sistema para o XP já foi confirmado recentemente pela empresa. Segundo Pryscila Alves, gerente de produtos de consumo da Microsoft Brasil, o downgrade para o XP será praticado por um período de seis meses após o lançamento do Windows 7.

Volta às aulas
Aquele velho scanner compatível somente com o XP vai continuar dependendo do antigo sistema, mas a Microsoft garante que assim como 95% dos aplicativos para XP rodam no Vista, a transição será natural para o Windows 7.

Com isso, uma rede de 29 mil pessoas que começa a testar o RC do Windows 7 vai garantir que o novo sistema esteja pronto para algo como a “volta às aulas” do mercado.

A Microsoft publicou nesta terça-feira, 14/4, oito boletins de segurança, que corrigem falhas em vários produtos, em especial no Windows e no Office.

Dos oito boletins, cinco corrigem erros críticos e referem-se a falhas que, exploradas, permitem a execução remota de código na máquina vulnerável. Dois outros correspondem a falhas classificadas como importantes e um como moderado.

Veja em : http://www.microsoft.com/technet/security/bulletin/ms09-apr.mspx

Tela do novo Windows
Ontem baixei e instalei numa partição separada a nova versão do sistema operacional, mais vendido do mundo e o mais utilizado.

O novo sistema da Microsoft traz novidades, mas mantém os problemas de compatibilidade do Vista.

Conforme Steve Ballmer anunciou em sua palestra de abertura no CES, em Las Vegas, o primeiro beta do Windows foi liberado no sábado passado (10) para o público.

Estão no Windows 7 várias novidades no funcionamento das janelas e da área de trabalho, uma barra de tarefas redesenhada e aperfeiçoamentos em aplicativos como Paint, WordPad e Calculadora (infelizmente, não no Bloco de Notas, que continua o mesmo). Um novo visualizador de fotos substituiu a Galeria do Vista (que ainda poderá ser baixada em sua edição Windows Live) e um programinha do tipo Post-It! passa a integrar o sistema. Além disso, o Power Shell, ferramenta para profissionais de TI herdada do Windows Server, faz sua estréia nos micros.

Para quem está esperando algo radicalmente diferente, valem dois avisos. O primeiro é que o Windows 7 terá os mesmos problemas de compatibilidade do Vista. Os drivers de dispositivos que rodam nos dois sistemas são os mesmos. Assim, quem tiver, por exemplo, um scanner que funciona com o Windows XP mas não com o Vista também não vai poder usá-lo com o Windows 7. O segundo alerta é que, embora a velocidade seja uma promessa do novo sistema, ela ainda não impressiona no beta 1. O sistema parece ser mais ágil que o Windows Vista, mas a diferença não é espetacular. Ou seja, quem tem um micro com XP e considera o Vista pesado demais provavelmente vai achar o Windows 7 pesado também.

No entanto, quando o Windows 7 começar a ser vendido, talvez no início de 2010, já terão se passado três anos desde o lançamento do Vista. Assim, os micros estarão, em média, um pouco mas poderosos. E o hardware antigo (com o qual há incompatibilidades) terá se tornado menos importante.

Finalmente a Microsoft lançou o Release Candidate do Internet Explorer. Já não era tempo, afinal a Microsoft vem perdendo market-share, dia após dia, com o já conhecido Firefox e o novato Chrome, sob a chancela do Google.

Para fazer o download, clique aqui.

De acordo com o gerente do IE8, Dean Hachamovitch, a versão final do navegador terá “poucas mudanças” em relação ao RC1, mas não disse quais serão.

Desde o segundo beta do IE8, apresentado em agosto, está a principal atualização que a companhia divulgou para seu navegador. A versão melhora recursos de segurança e permite deixar cada aba aberta de uma cor, recurso fácil de instalar no Firefox através de add-in gratuito.

A principal inovação, no entanto, é um conjunto de características que permite ao usuário “criar” uma página no IE8 com pedaços de outras páginas. Assim, você pode, por exemplo, criar uma página com a previsão do tempo de um site A, as notícias de um site B e vídeos de um terceiro serviço.

A versão também apresenta uma opção para navegar de forma anônima na web, recurso que já existe no Chrome.

O RC1 do IE 8 roda em computadores com XP SP2, Vista, Windows Server 2003 e 2008. O novo IE, porém, não funciona em máquinas com o beta do Windows 7. Que pena, não vou poder instalar em casa, já que estou usando o Windows 7. Mas, no meu outro notebook que mais utilizo, vai estar instalado. Assim que fizer bastante teste, aviso por aqui, as minhas impressões da nova versão.

Desde já aviso aqueles que utilizam Internet Banking. A maioria não é compatível com o IE8, por conta dos objetos que precisam ser instalados, mas que ainda são incompatíveis com a nova versão.
Isso nem é muito problema para quem tem o Firefox instalado.

O nome é meio estranho, de fato, mas não custa nada testar mais um site com o conceito de microblogging. Muito parecido com o Twister, que já começa a virar uma nova febre da comunicação e colaboração online.

A nova ferramenta, apresentada num evento que acontece em São Francisco, California, chamado de Techcrunch50, onde várias empresas startups se apresentam durante 10 minutos para investidores e analistas de mercado, chamou a atenção pela facilidade e pelo benefício que pode trazer para as empresas. 

Com aparência e funcionamento semelhante ao Twitter, exceto pelo fato de que seus usuários observam a pergunta “No que você está trabalhando?” no lugar da pergunta do Twitter “O que você está fazendo agora?”. As respostas no microblogging de trabalho devem ajudar a disseminar informações mais facilmente dentro das companhias e fazer com que os funcionários sintam-se mais conectados entre si.

Dentre as novidades e os recursos disponíveis, os usuários do Yammer podem incluir tags, palavras-chaves e frases no serviço mostrando quais assuntos são mais quentes na empresa e os novos funcionários podem se atualizar fazendo buscas no sistema.

O serviço básico é gratuito, mas as empresas devem pagar se quiserem direitos de administrador, que permitem bloquear usuários, retirar comentários ou tornar o sistema mais seguro configurando uma série de endereços IP que terão permissão para postar no sistema. A taxa mensal é de 1 dólar por funcionário e o serviço entrou no ar na segunda-feira (08/09, informou Keith McCarty, gerente de marketingo do Yammer).

Site: http://www.yammer.com/

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.