Durante muito tempo, a maior fonte de informação e notícia atualizada vinham do rádio, das tv e dos jornais. Principalmente aprofundando o assunto ou gerando um destaque de capa, no dia seguinte. A ordem da publicação da informação seguia essa rotina.
As revistas semanais faziam um resumo da semana com reportagens mais específicas e alguma vezes com reportagens contendo denúncias.

Sempre foi assim. Ocorre que, desde a semana passada, na divulgação da morte do Michael Jackson, houve um fato novo, inédito. Nunca antes na Internet houvera uma notícia que corresse o mundo tão rápida, tão instantânea, com a velocidade da Internet, com a velocidade da luz. Os canais foram diversos, sites de fofocas, blogs, e principalmente pelo Twitter, atual febre na Internet, que cujo modelo permite divulgar informação no segundo seguido que ela acontece, para todos os “seguidores” e “seguidos”, gerando um efeito dominó, multiplicador impressionante.

Tão impressionante que tais ferramentas tiveram um acesso absurdo, jamais visto. Inclusive o Google com sua ferramenta mais conhecida, que é busca. Houve um colapso. Chegamos ao limite. Ambas as ferramentas, o Google e o Twitter, sairam do ar. Ficaram instáveis e lentas durante horas. Durante a falta de informação ou ainda, a busca desesperada por saber que, o rei do pop havia morrido.

Portanto, para mim, a divulgação da morto do astro, foi o divisor de águas no mundo da informação. Quem ainda não acredita que a mídia Internet é sim, a principal ferramenta de mídia, de comunicação, do ineditismo da informação, está com os dias contados. Os jornais, as revistas, os canais de televisão, de rádio terão que se reinventar. Terão que buscar a Internet como canal principal. É esse o caminho. Não tem mais volta. O jornal vai acabar, o papel deixará de ser usado. É questão de tempo. Para mim, 10 anos mais.

No mais, lamentei muito a morte do Michael Jackson, também gostava muito das músicas dele. Da vida pessoal, não me interessa. Há também outro ponto de vista, para muita gente e pra mim também, ele agora pode descansar em paz. Apesar de muita gente não achar, ele sofreu muito na vida. É só olhar a história dele de como era tratado desde criança.